Clube de Mães


Os primeiros registros a respeito dos Clubes de Mães em Itabira datam de 1967. Após a criação da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano (1965), os movimentos sociais e pastorais em nossa cidade ganharam impulso e, vários deles, sob a liderança das mulheres.

 

Com o apoio e incentivo de várias religiosas (posteriormente da Cáritas Diocesana), inclusive do Colégio Nossa Senhora das Dores, as mães começaram a se reunir semanalmente nas comunidades. Além de levarem a Palavra de Deus às famílias, essas mulheres se tornaram fontes de uma verdadeira transformação social.

 

Atuavam desde o incentivo à vacinação infantil, à orientação sobre os cuidados com os bebês (inclusive prematuros), higienização, combate às verminoses até na formação de muitas outras mulheres em áreas como costura, bordados e demais trabalhos artesanais. Atividades que se tornaram fonte de renda e subsistência para muitas famílias.

 

Incansáveis, mesmo diante das responsabilidades com a casa, com o marido e filhos, não se abatiam diante das dificuldades. Pelo contrário, as enfrentavam de cabeça erguida ajudando famílias inteiras que viviam em condições de extrema precariedade.

 

Perseverantes na fé, sempre atuavam junto à Igreja auxiliando nas festividades e atividades paroquiais.

 

Poucos são os clubes de mães ativos, ainda hoje, em Itabira. O da Vila Amélia é o mais antigo, ainda em funcionamento. Completou bodas de ouro (50 anos de existência) em 2018.

 

A Vila Amélia é a única comunidade da nossa Paróquia que possui ativo o Clube de Mães.

 

Outras informações na Secretaria da Paróquia: (31) 3831-3142.

 

 

Destaques

Foto de Exibição
Testando quantidade de cadastro

Foto de Exibição
Dia do pobre: não discursos, mas atitudes!

Foto de Exibição
O amor acima de tudo e todos

Foto de Exibição
"Somos caminheiros"

Foto de Exibição
O mundo necessita de princípios que favoreçam o diálogo

Clube de Mães


Os primeiros registros a respeito dos Clubes de Mães em Itabira datam de 1967. Após a criação da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano (1965), os movimentos sociais e pastorais em nossa cidade ganharam impulso e, vários deles, sob a liderança das mulheres.

 

Com o apoio e incentivo de várias religiosas (posteriormente da Cáritas Diocesana), inclusive do Colégio Nossa Senhora das Dores, as mães começaram a se reunir semanalmente nas comunidades. Além de levarem a Palavra de Deus às famílias, essas mulheres se tornaram fontes de uma verdadeira transformação social.

 

Atuavam desde o incentivo à vacinação infantil, à orientação sobre os cuidados com os bebês (inclusive prematuros), higienização, combate às verminoses até na formação de muitas outras mulheres em áreas como costura, bordados e demais trabalhos artesanais. Atividades que se tornaram fonte de renda e subsistência para muitas famílias.

 

Incansáveis, mesmo diante das responsabilidades com a casa, com o marido e filhos, não se abatiam diante das dificuldades. Pelo contrário, as enfrentavam de cabeça erguida ajudando famílias inteiras que viviam em condições de extrema precariedade.

 

Perseverantes na fé, sempre atuavam junto à Igreja auxiliando nas festividades e atividades paroquiais.

 

Poucos são os clubes de mães ativos, ainda hoje, em Itabira. O da Vila Amélia é o mais antigo, ainda em funcionamento. Completou bodas de ouro (50 anos de existência) em 2018.

 

A Vila Amélia é a única comunidade da nossa Paróquia que possui ativo o Clube de Mães.

 

Outras informações na Secretaria da Paróquia: (31) 3831-3142.

 

 

Destaques

Foto de Exibição
Testando quantidade de cadastro

Foto de Exibição
Dia do pobre: não discursos, mas atitudes!

Foto de Exibição
O amor acima de tudo e todos

Foto de Exibição
"Somos caminheiros"

Foto de Exibição
O mundo necessita de princípios que favoreçam o diálogo