Ministros extraordinários da Comunhão Eucarística e da Palavra


Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística

 

 

O “ministro da Eucaristia” é o sacerdote celebrante; e é ele quem deve distribuir a Eucaristia, como o Cristo fez, porque ele celebra “in persona Christi”. Como o Cristo na Santa Ceia, ele deve distribuir a Eucaristia. O leigo é “ministro extraordinário da Comunhão Eucarística” e só deve distribuir a Eucaristia se o sacerdote não conseguir sozinho distribuir a todos por serem muitas pessoas. É o que diz o documento Redemptionis Sacramentum (n.88).

 

[88] – Os fiéis, habitualmente, recebam a Comunhão sacramental da Eucaristia na mesma Missa e no momento prescrito pelo mesmo rito da celebração, isto é, imediatamente depois da Comunhão do sacerdote celebrante. É de responsabilidade do sacerdote celebrante distribuir a Comunhão, se é o caso, ajudado pelos outros sacerdotes e diáconos; e este não deve prosseguir a Missa até que haja terminado a Comunhão dos fiéis. Só aonde a necessidade o requeira, os ministros extraordinários podem ajudar ao sacerdote celebrante, de acordo com as normas do direito.

 

Levar o Corpo e Sangue de Jesus não é, e nem deve ser, um ato rotineiro na vida de quem exerce esse ministério, muito pelo contrário, é sobrenatural. É impossível carregar Jesus junto ao peito durante o percurso até um doente e permanecer igual. “Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor” (1Jo 4,8). O ministro, mesmo com suas falhas pessoais, carrega junto ao peito o próprio Amor, portanto seu ministério só tem sentido e fecundidade, quando ele permite que esse Amor tome seu coração. É fundamental nessa missão amar muito. O ministro precisa ser um sinal de amor à Deus e do amor de Deus.

 

Ser sinal de amor à Deus se traduz em um amor ferrenho à própria Eucaristia, é necessário um exame de consciência de todos os que exercem esse ministério. Em consequência do amor à Deus, o ministro se torna sinal do amor d’Ele agindo de maneira semelhante à Nossa Senhora ao visitar Santa Isabel, levando Jesus ao encontro do doente.

 

Ministro da Palavra

 

O Ministério da Palavra é um ministério "não ordenado" formado por pessoas adultas e responsáveis, as mesmas são indicadas por membros da comunidade e confirmadas e convidadas pelo padre responsável. Os ministros da Palavra participam de um curso para assumir o ministério e se comprometem a um aprofundamento na Palavra de Deus, como seu principal instrumento na Celebração da Palavra.

 

A celebração da Palavra de Deus é um ato litúrgico reconhecido e incentivado pela Igreja. A Palavra de Deus é acontecimento, onde o Pai entra na história, onde o Filho prolonga o mistério de sua Páscoa e o Espírito Santo atua com sua força. As celebrações da Palavra de Deus não são uma criação das últimas décadas, mas fazem parte da tradição da Igreja. As comunidades primitivas criaram uma estrutura própria de celebração da Palavra – O Ofício Divino. O Concílio Vaticano II nos fala: “Incentive-se a celebração sagrada da Palavra de Deus, nas vigílias das festas mais solenes, em algumas férias do Advento e da Quaresma, como também nos domingos e dias santos, sobretudo naqueles lugares onde falta o padre. Neste caso seja o diácono ou algum outro delegado pelo Bispo quem dirija a celebração” (SC 35,4).

 

Todas as comunidades da Paróquia têm equipes de ministros.

 

Mais informações na Secretaria Paroquial: (31) 3831-3142.

 

 

 

http://cleofas.com.br/qual-a-diferenca-entre-ministro-da-eucaristia-e-ministro-extraordinario-da-comunhao-eucaristica/

http://radio.cancaonova.com/sao-jose-do-rio-preto/o-que-e-ser-um-ministro-da-sagrada-comunhao-eucaristica/

http://www.netvip.com.br/paroquiafatima/palavra.htm

Destaques

Foto de Exibição
Testando quantidade de cadastro

Foto de Exibição
Dia do pobre: não discursos, mas atitudes!

Foto de Exibição
O amor acima de tudo e todos

Foto de Exibição
"Somos caminheiros"

Foto de Exibição
O mundo necessita de princípios que favoreçam o diálogo

Ministros extraordinários da Comunhão Eucarística e da Palavra


Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística

 

 

O “ministro da Eucaristia” é o sacerdote celebrante; e é ele quem deve distribuir a Eucaristia, como o Cristo fez, porque ele celebra “in persona Christi”. Como o Cristo na Santa Ceia, ele deve distribuir a Eucaristia. O leigo é “ministro extraordinário da Comunhão Eucarística” e só deve distribuir a Eucaristia se o sacerdote não conseguir sozinho distribuir a todos por serem muitas pessoas. É o que diz o documento Redemptionis Sacramentum (n.88).

 

[88] – Os fiéis, habitualmente, recebam a Comunhão sacramental da Eucaristia na mesma Missa e no momento prescrito pelo mesmo rito da celebração, isto é, imediatamente depois da Comunhão do sacerdote celebrante. É de responsabilidade do sacerdote celebrante distribuir a Comunhão, se é o caso, ajudado pelos outros sacerdotes e diáconos; e este não deve prosseguir a Missa até que haja terminado a Comunhão dos fiéis. Só aonde a necessidade o requeira, os ministros extraordinários podem ajudar ao sacerdote celebrante, de acordo com as normas do direito.

 

Levar o Corpo e Sangue de Jesus não é, e nem deve ser, um ato rotineiro na vida de quem exerce esse ministério, muito pelo contrário, é sobrenatural. É impossível carregar Jesus junto ao peito durante o percurso até um doente e permanecer igual. “Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor” (1Jo 4,8). O ministro, mesmo com suas falhas pessoais, carrega junto ao peito o próprio Amor, portanto seu ministério só tem sentido e fecundidade, quando ele permite que esse Amor tome seu coração. É fundamental nessa missão amar muito. O ministro precisa ser um sinal de amor à Deus e do amor de Deus.

 

Ser sinal de amor à Deus se traduz em um amor ferrenho à própria Eucaristia, é necessário um exame de consciência de todos os que exercem esse ministério. Em consequência do amor à Deus, o ministro se torna sinal do amor d’Ele agindo de maneira semelhante à Nossa Senhora ao visitar Santa Isabel, levando Jesus ao encontro do doente.

 

Ministro da Palavra

 

O Ministério da Palavra é um ministério "não ordenado" formado por pessoas adultas e responsáveis, as mesmas são indicadas por membros da comunidade e confirmadas e convidadas pelo padre responsável. Os ministros da Palavra participam de um curso para assumir o ministério e se comprometem a um aprofundamento na Palavra de Deus, como seu principal instrumento na Celebração da Palavra.

 

A celebração da Palavra de Deus é um ato litúrgico reconhecido e incentivado pela Igreja. A Palavra de Deus é acontecimento, onde o Pai entra na história, onde o Filho prolonga o mistério de sua Páscoa e o Espírito Santo atua com sua força. As celebrações da Palavra de Deus não são uma criação das últimas décadas, mas fazem parte da tradição da Igreja. As comunidades primitivas criaram uma estrutura própria de celebração da Palavra – O Ofício Divino. O Concílio Vaticano II nos fala: “Incentive-se a celebração sagrada da Palavra de Deus, nas vigílias das festas mais solenes, em algumas férias do Advento e da Quaresma, como também nos domingos e dias santos, sobretudo naqueles lugares onde falta o padre. Neste caso seja o diácono ou algum outro delegado pelo Bispo quem dirija a celebração” (SC 35,4).

 

Todas as comunidades da Paróquia têm equipes de ministros.

 

Mais informações na Secretaria Paroquial: (31) 3831-3142.

 

 

 

http://cleofas.com.br/qual-a-diferenca-entre-ministro-da-eucaristia-e-ministro-extraordinario-da-comunhao-eucaristica/

http://radio.cancaonova.com/sao-jose-do-rio-preto/o-que-e-ser-um-ministro-da-sagrada-comunhao-eucaristica/

http://www.netvip.com.br/paroquiafatima/palavra.htm

Destaques

Foto de Exibição
Testando quantidade de cadastro

Foto de Exibição
Dia do pobre: não discursos, mas atitudes!

Foto de Exibição
O amor acima de tudo e todos

Foto de Exibição
"Somos caminheiros"

Foto de Exibição
O mundo necessita de princípios que favoreçam o diálogo