Nossas Comunidades


A história das comunidades cristãs está intimamente ligada à história de vida da sua gente. Deus caminha junto com o seu povo, em todos os lugares e a qualquer tempo.

Atravessando a lógica humana do imediatismo e finitude, a Igreja Católica atravessou os séculos, virou dois milênios e segue no firme propósito de levar “A Palavra a toda criatura”.

O modelo de organização em comunidades vem desde a Igreja Primitiva. Basta correr os olhos pelas cartas de São Paulo para se ter uma ideia disso e da dimensão que foi o seu apostolado. Incansável, Paulo não deixava que o desânimo se abatesse sobre os cristãos, e não era raro os seus “puxões de orelha”.

São Pedro foi o escolhido de Jesus para manter a unidade dessas comunidades. Para que nenhuma das ovelhas do Senhor se perdessem do rebanho.

Até hoje é assim que a nossa Igreja caminha, com o esforço de cada pastor em particular e de todos os pastores em unidade.

Cada padre é um missionário que carrega em si o dever do pastoreio, do anúncio e da coesão para que a mensagem de Deus não se perca. A organização em comunidades lhes permite um trabalho mais eficiente e sempre mais próximo do povo de Deus.

Neste modelo de organização não se pode desconsiderar as influências culturais. A Igreja Primitiva, por exemplo, sentiu logo a necessidade de observar as peculiares diferenças entre os cristãos judeus e os cristãos gentios.

Cada uma de nossas três comunidades têm suas peculiaridades, suas distinções e características que precisam, devem e são respeitadas.

A riqueza da história de nossas comunidades, portanto, só poderia ser descrita, com fidelidade, a partir das memórias de nossos paroquianos. Muitos deles já se encontram na casa do Pai e a todos somos gratos por cada minuto dedicado à obra de Deus.

Então, o que você vai encontrar aqui é um pouco do que temos documentado e algumas informações que só foram possíveis apurar através da oralidade.









Nossas Comunidades

A história das comunidades cristãs está intimamente ligada à história de vida da sua gente. Deus caminha junto com o seu povo, em todos os lugares e a qualquer tempo.

Atravessando a lógica humana do imediatismo e finitude, a Igreja Católica atravessou os séculos, virou dois milênios e segue no firme propósito de levar “A Palavra a toda criatura”.

O modelo de organização em comunidades vem desde a Igreja Primitiva. Basta correr os olhos pelas cartas de São Paulo para se ter uma ideia disso e da dimensão que foi o seu apostolado. Incansável, Paulo não deixava que o desânimo se abatesse sobre os cristãos, e não era raro os seus “puxões de orelha”.

São Pedro foi o escolhido de Jesus para manter a unidade dessas comunidades. Para que nenhuma das ovelhas do Senhor se perdessem do rebanho.

Até hoje é assim que a nossa Igreja caminha, com o esforço de cada pastor em particular e de todos os pastores em unidade.

Cada padre é um missionário que carrega em si o dever do pastoreio, do anúncio e da coesão para que a mensagem de Deus não se perca. A organização em comunidades lhes permite um trabalho mais eficiente e sempre mais próximo do povo de Deus.

Neste modelo de organização não se pode desconsiderar as influências culturais. A Igreja Primitiva, por exemplo, sentiu logo a necessidade de observar as peculiares diferenças entre os cristãos judeus e os cristãos gentios.

Cada uma de nossas três comunidades têm suas peculiaridades, suas distinções e características que precisam, devem e são respeitadas.

A riqueza da história de nossas comunidades, portanto, só poderia ser descrita, com fidelidade, a partir das memórias de nossos paroquianos. Muitos deles já se encontram na casa do Pai e a todos somos gratos por cada minuto dedicado à obra de Deus.

Então, o que você vai encontrar aqui é um pouco do que temos documentado e algumas informações que só foram possíveis apurar através da oralidade.