“Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto de teu ventre!” – (Lc 1,42)



Segundo o Código de Direito Canônico (Cân. 515), temos:

§ 1. A paróquia é uma certa comunidade de fiéis, constituída estavelmente na Igreja particular, cuja cura pastoral, sob a autoridade do Bispo diocesano, está confiada ao pároco, como a seu pastor próprio.

§ 2. Compete exclusivamente ao Bispo diocesano erigir, suprimir ou alterar paróquias, o qual não as erija ou suprima, nem as altere notavelmente, a não ser depois de ouvido o conselho presbiteral.

De certa maneira, a paróquia pode ser considerada como uma “segunda casa” para os cristãos sendo, por conseguinte, um lugar de acolhida, de orientação e ajuda espiritual. O fato dela ser territorialmente dividida (normalmente por bairros), facilita o trabalho do pároco que pode, assim, conhecer melhor as necessidades e realidades das comunidades que a compõem.

Uma comunidade se realiza pela sua gente. Apesar das histórias particulares, ela surge das necessidades comuns, dos laços que se formam e edificam.

A história da Paróquia de Nossa Senhora da Saúde, bem como a de várias outras no Estado, está diretamente relacionada ao período de povoamento do município de Itabira, à chegada dos bandeirantes ao interior de Minas Gerais.

A Igreja Matriz é a segunda edificação religiosa mais antiga da cidade, sendo mais ‘jovem’ apenas do que a de Nossa Senhora do Rosário (“Rosarinho”). Nossa história, portanto, passa pela própria história de construção da Igreja, iniciada no século XIX.

No local onde hoje se ergue a Matriz, existia anteriormente uma ermida, sob a mesma invocação, construída pelos primeiros habitantes da região: Bento Joaquim do Amaral e João de C. Salgado, entre outros.

A atual edificação teve sua construção iniciada em 1823 e concluída em 1848 (mesmo ano de emancipação política do município) por iniciativa de Carlos Cassemiro de Andrade. Já no século XX, em 1925, a edificação sofreu reformas que foram coordenadas por uma comissão presidida por Heliodoro do Carmo. Nesta época, foi modificado o frontispício original que apresentava duas torres, destruídas por ação de um raio. Desde então, mantém a torre única central.

Inicialmente, a comunidade de Nossa Senhora da Saúde estava subordinada à Paróquia de Nossa Senhora do Rosário – forania da Arquidiocese de Mariana -, sendo elevada a Paróquia no dia 06 de abril de 1947.

Naquela época, pertenciam à Paróquia da Saúde, assim denominada carinhosamente pelos fiéis, as Capelas de:

• Conceição
• Rio Peixe
• Fábrica da Gabiroba
• Candidópolis
• Ribeirão de São José

Os cruzeiros de:

• Laboriaux,
• Oliveira Castro,
• Piteiras

E os seguintes povoados:

• Conceição
• Rio Peixe
• Candidópolis
• Ribeirão de São José
• Laboriaux
• Oliveira Castro
• Fábrica da Pedreira


Ao longo dos anos, várias comunidades foram anexadas ou desmembradas da Paróquia. Além das já relacionadas, temos também:

• Comunidade de Nossa Senhora Aparecida (Barro Branco)
• Comunidade de São José (Chapada)
• Comunidade de Nossa Senhora da Esperança (Boa Esperança)
• Comunidade de Nossa Senhora de Fátima (Vila Amélia)
• Comunidade de Nossa Senhora da Conceição (Conceição de Baixo)

Nos dias atuais, a Paróquia é composta pelas comunidades de Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora da Saúde – o que nos torna genuinamente mariana!

A circunscrição da Paróquia compreende os bairros Centro, Pará, Chacrinha, Moinho Velho, Esplanada da Estação, Quatorze de Fevereiro, Vila Amélia, Alto da Boa Vista, Alto Pereira, Vila São Joaquim e Conceição de Baixo.




“Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto de teu ventre!” – (Lc 1,42)



Segundo o Código de Direito Canônico (Cân. 515), temos:

§ 1. A paróquia é uma certa comunidade de fiéis, constituída estavelmente na Igreja particular, cuja cura pastoral, sob a autoridade do Bispo diocesano, está confiada ao pároco, como a seu pastor próprio.

§ 2. Compete exclusivamente ao Bispo diocesano erigir, suprimir ou alterar paróquias, o qual não as erija ou suprima, nem as altere notavelmente, a não ser depois de ouvido o conselho presbiteral.

De certa maneira, a paróquia pode ser considerada como uma “segunda casa” para os cristãos sendo, por conseguinte, um lugar de acolhida, de orientação e ajuda espiritual. O fato dela ser territorialmente dividida (normalmente por bairros), facilita o trabalho do pároco que pode, assim, conhecer melhor as necessidades e realidades das comunidades que a compõem.

Uma comunidade se realiza pela sua gente. Apesar das histórias particulares, ela surge das necessidades comuns, dos laços que se formam e edificam.

A história da Paróquia de Nossa Senhora da Saúde, bem como a de várias outras no Estado, está diretamente relacionada ao período de povoamento do município de Itabira, à chegada dos bandeirantes ao interior de Minas Gerais.

A Igreja Matriz é a segunda edificação religiosa mais antiga da cidade, sendo mais ‘jovem’ apenas do que a de Nossa Senhora do Rosário (“Rosarinho”). Nossa história, portanto, passa pela própria história de construção da Igreja, iniciada no século XIX.

No local onde hoje se ergue a Matriz, existia anteriormente uma ermida, sob a mesma invocação, construída pelos primeiros habitantes da região: Bento Joaquim do Amaral e João de C. Salgado, entre outros.

A atual edificação teve sua construção iniciada em 1823 e concluída em 1848 (mesmo ano de emancipação política do município) por iniciativa de Carlos Cassemiro de Andrade. Já no século XX, em 1925, a edificação sofreu reformas que foram coordenadas por uma comissão presidida por Heliodoro do Carmo. Nesta época, foi modificado o frontispício original que apresentava duas torres, destruídas por ação de um raio. Desde então, mantém a torre única central.

Inicialmente, a comunidade de Nossa Senhora da Saúde estava subordinada à Paróquia de Nossa Senhora do Rosário – forania da Arquidiocese de Mariana -, sendo elevada a Paróquia no dia 06 de abril de 1947.

Naquela época, pertenciam à Paróquia da Saúde, assim denominada carinhosamente pelos fiéis, as Capelas de:

• Conceição
• Rio Peixe
• Fábrica da Gabiroba
• Candidópolis
• Ribeirão de São José

Os cruzeiros de:

• Laboriaux,
• Oliveira Castro,
• Piteiras

E os seguintes povoados:

• Conceição
• Rio Peixe
• Candidópolis
• Ribeirão de São José
• Laboriaux
• Oliveira Castro
• Fábrica da Pedreira


Ao longo dos anos, várias comunidades foram anexadas ou desmembradas da Paróquia. Além das já relacionadas, temos também:

• Comunidade de Nossa Senhora Aparecida (Barro Branco)
• Comunidade de São José (Chapada)
• Comunidade de Nossa Senhora da Esperança (Boa Esperança)
• Comunidade de Nossa Senhora de Fátima (Vila Amélia)
• Comunidade de Nossa Senhora da Conceição (Conceição de Baixo)

Nos dias atuais, a Paróquia é composta pelas comunidades de Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora da Saúde – o que nos torna genuinamente mariana!

A circunscrição da Paróquia compreende os bairros Centro, Pará, Chacrinha, Moinho Velho, Esplanada da Estação, Quatorze de Fevereiro, Vila Amélia, Alto da Boa Vista, Alto Pereira, Vila São Joaquim e Conceição de Baixo.